segunda-feira, 12 de março de 2012

Bom enchimento de almofada


Isto é assim. Quando se vive a dois e se está longe de tudo e de todos, e só nos temos um ao outro... Mentira, o que não faltam aí são cabeleireiros, só a dois quarteirões daqui conto uns seis ou sete. Mas ser emigra e jovem é contar os tostõezinhos, que a crise persegue os pobres portugueses até para fora das fronteiras do Portugal.

Não sou especialmente dotada como cabeleireira - o cabelo fica sempre com as marcas da máquina, tipo relva aparada - e tremo de cada vez que a máquina faz um trrrrrreeeee mais puxado, mas tirando isso dá-me um gozo enorme ver os tufos de cabelo a cair no chão. Começa mesmo a surgir um sorriso maníaco na minha cara, um esgar maquiavélico de estar a estragar qualquer coisa, quando o cabelo está meio curto meio comprido então é o auge, já ninguém pára aquela máquina, muhahahahahahaha!

Ficou razoavelmente bem cortado, acho que foi o meu melhor até agora. Fica a esperança de um dia destes ele me deixar cortar à máquina zero.






S.

Sem comentários:

Publicar um comentário