segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Estereótipos revisitados

Afinal não sou tão imune a estereótipos como me julgava ser.

Preconceitos são coisas terríveis porque não são racionais. Aparentam ter uma lógica que na realidade não têm pois não sobrevivem a uns poucos argumentos destinados a refutá-los. Mas alojam-se no subsconsciente e provocam reacções irracionais.

Reflexão filosófica porquê? Simplesmente porque hoje ia no metro, meio a dormir, em pé (maldito aeroporto que ficas na minha linha, todas as horas parecem de ponta...) quando entra uma senhora coberta da cabeça aos pés por uma tão mediática burka. Não era de certo a primeira vez que via uma (eu vivo em Hounslow, afinal de contas) mas a surpresa é sempre a mesma.

É vergonhoso se admitir que me deu um impulso de sair do comboio logo naquela paragem? Lá entrou o preconceito. Mulher velada = potencial bombista suicida.

Porque burka significa esconder e esconder significa desconhecido. Esconder o quê? Porquê? Uma burka é perfeita para esconder uma identidade (o que faz com uma eficiência incrível) mas também o pode ser a esconder um objecto... A minha imaginação fértil aliada ao mediatismo dos atentados terroristas tem destas coisas. 

Mas mais do que este preconceito, que afinal só gerou um impulso inicial de fuga (não concretizado, tenho a dizer. Que coragem da minha parte, lol), uma mulher velada da cabeça aos pés mistifica-me. Porquê? Em nome de quê? Numa altura que se fala tanto de relativismo cultural e de multiculturalismo esta é uma coisa que não pode estar bem. Não consigo compreender nem aceitar como correcto. Não pode ser correcto um ser humano sentir necessidade de colocar entre si e o mundo uma barreira física intransponível que o oculta do olhar público. Nenhum argumento que vi me convenceu ainda do contrário.

Ah, e tenho que admitir, em jeito de conclusão, que o impulso não se concretizou em acção por uma razão muito simples: a senhora quando entrou disse para alguém em quem tocou sem querer "Sorry". O que a tornou humana mais uma vez :)



S.

Sem comentários:

Publicar um comentário